Gabinete da Reitoria emitiu Recomendação nº 1/2022, em virtude do número crescente de casos positivos

Por: ASCOM IFRN.

Com uma série de considerandos, que tomam por base desde número crescente de casos positivos de Covid-19 notificados no Brasil e a circulação de novas linhagens da Variante de Ômicron até a Recomendação de nº 37, do Comitê Científico do RN e a Nota Técnica nº 16/2022, do Ministério da Saúde, o Gabinete da Reitoria do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) emitiu a Recomendação nº 1/2022.

Assinada pelo reitor da instituição, professor José Arnóbio de Araújo Filho, o documento traz sete recomendações, que devem ser observadas por estudantes, seus familiares e todo o corpo de trabalho que desempenhe atividades nas dependências das 23 unidades do Instituto: colaboradores, estagiários, funcionários de empresas terceirizadas, prestadores de serviço, servidoras e servidores.

As recomendações são:

1. Retomar o uso de máscaras de proteção facial, de forma não obrigatória, em:

– Ambientes de trabalho fechados;

– Lugares onde haja maior risco de aglomerações;

– Situações que envolvam trato constante com o grande público ou com idosos, gestantes, pessoas imunossuprimidas, com múltiplas comorbidades, com sintomas gripais e que tenham tido contato com casos confirmados de Covid-19;

– Viagens e/ou pequenos deslocamentos que requeiram o uso dos carros oficiais.

2. Sensibilizar quanto à importância do retorno às notificações dos casos, quando identificados no âmbito da Reitoria e dos campi do IFRN;

3. Estimular os setores de saúde e as comissões de enfrentamento à Covid-19, quando identificados casos no âmbito dos campi, a monitorar e acompanhar os casos;

4. Retomar a utilização dos fluxos antes utilizados: testagem, isolamento social e atestados;

5. Reforçar a comunicação para que cada pessoa que integre a comunidade acadêmica atente para a necessidade de distanciamento social e uso de máscara.

6. Intensificar medidas não farmacológicas, tais como: higienização frequente das mãos com água e sabão ou com o uso do álcool 70% e distanciamento social; e

7. Atentar para a necessidade da vacinação.